[Aperta a tecla] Novo conto: Tempestade ao redor

01 setembro 2015
Queridos leitores! Como vocês já devem estar sabendo, o desafio de agosto no projeto Aperta a tecla foi escrever um conto baseado em fatos reais, e foi assim que a Tempestade ao redor nasceu. Por ser inspirado em alguns fatos verídicos, ele é bem diferente dos contos anteriores, mas espero que você também goste dele e possa tirar alguma lição para sua vida.

Título: Tempestade ao redor
Autora: Marina Ramos
Páginas: 8
Onde encontrar: Nesse link da Amazon. O preço do conto é de R$1,99, mas ele está cadastrado no Kindle Unlimited e fora isso estará disponível para download gratuito até a meia noite de hoje (01/09). Você também pode se cadastrar na minha listinha VIP e receber meus contos de graça no seu e-mail!

Ao receber uma notícia devastadora parece que o mundo desmorona e toda esperança se esvai. No entanto, entre meus medos e a dor que ameaça me dominar, lembro-me das tempestades que meu barquinho já enfrentou, e em meio ao mar revolto descubro como restaurar a calmaria ao meu coração.

Para comemorar a publicação de mais um conto, não só a Tempestade ao redor, como também meus outros dois contos estão disponíveis gratuitamente na loja da Amazon hoje! Como sempre, aqui vai um trechinho inicial deste conto. Caso gostem e queiram ler esse e outros contos, não esqueçam de se cadastrar na minha listinha.

----------------------------

A primeira coisa que senti quando desliguei o telefone foi a dor cortante em meu peito, como se uma mão estivesse dilacerando minha pele enquanto a atravessa e esmaga meu coração entre seus dedos. De repente, eu não sabia mais respirar. Uma sensação claustrofóbica se espalhou pelo meu corpo chegando até meu estômago trazendo fortes náuseas. Minha vista escureceu me deixando leve sobre meus pés e fazendo com que eu perdesse o equilíbrio, se não fosse pela parede ao meu lado certamente teria caído.

Deslizei lentamente pela superfície gelada até me sentar no chão. As lágrimas vieram devagar, e depois, em uma dolorosa enxurrada. Aquilo não podia estar acontecendo. Essa notícia iria mudar toda a minha vida.

Chorei até me esgotar completamente, ou pelo menos até entender que chorar não ia adiantar de nada. Andei até meu quarto e passei o resto do dia deitada na minha cama olhando para o teto, com medo de pensar no meu futuro. Permaneci estática, até finalmente conseguir pegar no sono.

Assusto-me ao ouvir um barulho estranho. Parece ter alguém andando pela casa escura. Fico quieta na cama, esperando escutar algo novamente. Meu coração palpita de forma alarmante sobre meu peito. Com a respiração sufocada abro uma pequena brecha pelos meus olhos, depois de alguns segundos eles conseguem se adaptar à escassa luminosidade da noite.

Não consigo identificar nada fora do comum no meu quarto, mas de alguma forma sinto que não estou sozinha. Lembro que a porta está aberta, porém estou virada de costas para ela e tenho medo de olhar para trás. Não sei se quero ver o que quer que esteja ali.

Escuto mais um passo, dessa vez parece estar mais próximo. Começo a entrar em pânico, não faço ideia do que fazer. Talvez eu deva gritar pelos meus pais. Puxo todo fôlego possível para minha voz sair alta – espero que eles me escutem na primeira vez – mas assim que tento gritar, percebo que nenhum som sai da minha boca.

Faço outra tentativa, nada acontece. Meu estômago embrulha e tudo que quero é sair daqui, no entanto por algum motivo não consigo me mexer. Olho para meu braço, me esforçando para que ele obedeça meus comandos, mesmo assim não consigo movimentá-lo. Coloco toda energia que tenho em tentar levantar meu tronco, mas parece que tenho toneladas em cima de mim, me empurrando para baixo.

Você já sentiu alguma vez como é não ter controle sobre o seu corpo? É assim que me sinto agora. Não consigo gritar por ajuda. Não consigo me mexer. E não tenho mais o que fazer, a não ser continuar tentando me libertar das correntes da minha própria mente.

----------------------------

Se você está lendo essa postagem depois do dia 01/09 não se preocupe. Irei disponibilizar o conto para download gratuito durante outras datas. Acompanhe o blog e fique ligado na próxima. 

10 comentários

  1. Olá, Mari!

    Em primeiro lugar, esta capa ficou linda! Gostei muito.
    Vou ler o conto <3

    Aliás, eu deveria ter escrito o meu '-'
    Ahhh, caramba. Ainda dá tempo, né? Hahah

    Até mais,
    ser-escritora.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahah. Dá tempo sim, Ju! Não tem prazo não :)

      Excluir
  2. Hey!
    Linda a capa, condiz bem com o tema do livro.
    Gostei da estória também!!

    Beijos
    www.ooutroladodaraposa.com.br

    ResponderExcluir
  3. Que capa linda, adorei <3
    Gratuito na Amazon? Oppaaaa!
    www.iamcamilakellen.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Olá,
    Só preciso dizer que ESSA CAPA ESTÁ DERRUBANDO FORNINHOS. Caramba, ficou muito mais bonita do que várias capas de editoras grandes de vejo. Também gostei muito da história.
    Beijos.
    Memórias de Leitura - memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahha, obrigada! Tem uma amiga minha que me ajuda a fazer as capas :)

      Excluir
  5. Olá Mari,
    Perdi a promoção :(
    Adorei, adorei a capa, adorei a ideia da história e quero MUITO ler para emitir minha opinião sobre o conto. Pelos seus posts vejo o quanto você escreve bem e isso só me deixa mais animada para ler ♥
    Beijos
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Own, obrigada Bruna! *.*
      Só é você se cadastrar na minha listinha que recebe ele no seu e-mail de graça :)

      Excluir
  6. MISERICÓRDIA ACHO QUE A MARINA TÁ LENDO MEUS PENSAMENTOS SÓ PODE
    Marina do céu, é como você tivesse instalado uma câmera no meu cérebro. Li seu conto e, cara, chorei. Minha irmã mais velha tem esse problema, e estou começando a achar que eu também. Estou com medo, mas o fim do seu texto é exatamente o que penso. Ter fé é nossa cura. Amei o conto!
    Um beijo ;*
    http://calmomila.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Own, Camila! Me emocionei com o seu comentário. Eu nunca quis escrever sobre isso, mas fico muito grata por ter tido a oportunidade de tocar alguém. Acho que no fim das contas Deus sabe o que faz quando nos inspira a falar sobre alguma coisa assim, né? Beijos!

      Excluir

 
Desenvolvido por Michelly Melo.